quarta-feira, 10 de junho de 2015

A nossa segunda lua!

Todos aprendemos que a Terra possui um único satélite natural, a Lua. Bom, isso até os cientistas identificarem um segundo corpo que orbita nosso planete periodicamente. Cruithne 3753, foi descoberto em 1997, mas diferente da Lua, não tem órbita elíptica, mas sim uma órbita de ferradura, levando cerca de 800 anos para dar uma volta completa ao redor da Terra. Fonte: http://hypescience.com/outra-lua-da-terra/

O "segundo sol" já chegou, já passou e só agora nos demos conta!

Há cerca de 70 mil anos uma estrela errante passou pelo nosso Sistema Solar e hoje encontra-se 20 anos-luz distante da Terra. A Estrela de Scholz, como é conhecida, é uma anã vermelha que, junto de uma anã marrom, compõe um sistema binário. Fonte: Galeria do Meteorito http://www.galeriadometeorito.com/2015/02/uma-estrela-invadiu-o-sistema-solar.html#.VXh8BdJViko

domingo, 6 de junho de 2010

Telescópio detecta buraco negro gigante engolindo estrela

O buraco negro mais distante já encontrado, foi detectado pelo telescópio da Organização Europeia para a Pesquisa Astronômica no Hemisfério Sul, acompanhado de uma estrela que será engolida por ele em breve.
Distante cerca de seis milhões de anos-luz da Terra, o buraco negro é também um dos maiores já encontrados.
O parceiro do buraco negro é uma estrela do tipo Wolf-Rayet, que também tem uma massa cerca de 20 vezes a do Sol. As Wolf-Rayet são estrelas que já estão perto do fim de suas vidas e expulsam a maior parte de suas camadas superiores para a região que as cerca antes de explodirem como supernovas, com seus núcleos implodindo para formar buracos negros.

fonte: www.globo.com

quarta-feira, 5 de maio de 2010

Água e moléculas orgânicas em asteróide

Evidência de água e de compostos orgânicos acabam de ser detectados na superfície de um asteróide.
Ao medir o espectro de luz infravermelha refletida pelo objeto, os pesquisadores verificaram que os sinais eram consistentes com água congelada. Segundo eles, todo o asteroide está coberto por um filme fino de gelo.
"Não é possível saber com certeza qual é a espessura do gelo", afirma Thais Mothé Diniz (Observatório de Valongo da Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ). "Mas ela deve ter entre alguns centímetros e uns poucos metros".

Fonte: http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=agua-em-asteroide&id=010175100429&ebol=sim

sábado, 16 de janeiro de 2010

Cinco Planetas gigantes descobertos

O telescópio Kepler, da Nasa, descobriu 5 planetas grandes fora do Sistema Solar.
Os novos planetas receberam os nomes Kepler 4b, 5b, 6b, 7b e 8b e foram anunciados em um encontro da Sociedade Astronômica Americana. Todos os planetas circulam muito proximamente às suas estrelas principais - seu sol - seguindo órbitas que variam ente 3,2 até 4,9 dias.
Esta proximidade e o fato de suas estrelas principais serem muito mais quentes do que o nosso sol significa que os novos planetas tem temperaturas extremamente elevadas, estimadas entre 1.200ºC e 1.650º C.
Os planetas encontrados são todos mais quentes do que lava derretida; eles simplesmente brilham de tão quentes", disse Bill Borucki, o cientista da Nasa que lidera a missão do Kepler no centro de pesquisas Ames, em Moffett Field, Califórnia.
"De fato, os dois maiores são mais quentes do que ferro fundido e olhar para eles é como olhar para uma fornalha. Eles são muito brilhantes por si só e, certamente, não são lugares para procurarmos vida."
O Kepler 7b vai intrigar muitos cientistas. Este é um dos planetas de mais baixa densidade já encontrado fora do sistema solar (cerca de 0,17 gramas por centímetro cúbico) já descoberto.
Segundo Borucki, a densidade média deste planeta é equivalente à do isopor, e os cientistas devem se deliciar em estudá-lo para tentar entender sua estrutura.

Fonte: Inovação Tecnológica.

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Encontrado água na Lua

Essa notícia foi divulgada no site Inovação Teconológica:

A NASA anunciou nesta sexta-feira que descobriu uma "grande quantidade" de água na Lua durante um experimento realizado no mês passado, quando a sonda LCROSS chocou-se com o interior da cratera Cabeus.
A LCROSS era formada por duas partes. A primeira consistia no último estágio do foguete que a lançou ao espaço, chamado Centauro. A segunda era a sonda propriamente dita.
As duas se separaram algumas horas antes do impacto. Logo depois a LCROSS acionou seus foguetes em uma manobra de frenagem que a deixou cerca de 600 quilômetros de distância do projétil Centauro. Isso criou um atraso de cerca de 4 minutos entre o projétil e a sonda.
Com os dois segmentos seguindo o mesmo curso, o objetivo era que a LCROSS observasse a nuvem de poeira e detritos levantada pelo Centauro. A sonda também chocou-se contra o solo lunar depois de transmitir seus dados para a Terra.
A NASA havia criado uma grande expectativa quanto à nuvem de poeira que se levantaria durante o impacto, acionando um batalhão de astrônomos amadores para fotografar o evento. Mas a nuvem de detritos levantada foi muito menor do que o esperado e só pode ser observada pelos instrumentos precisos da LCROSS.
"De fato, sim, nós encontramos água. E nós não encontramos um pouquinho, nós encontramos uma quantidade significativa", disse Anthony Colaprete, cientista responsável pela missão.
Segundo Colaprete, os dados indicam que o impacto levantou algo em torno de 90 a 100 litros de água. Não foram divulgados dados sobre a quantidade estimada de detritos lançados na atmosfera, o que impede um cálculo percentual.
A identificação de água na Lua é importante por motivos científicos: se ela estiver depositada lá há bilhões de anos na forma de gelo, pode conter incrustações com informações geológicas importantes sobre as origens de todo o Sistema Solar.
Mas a presença de água também poderia ser importante para futuras expedições tripuladas e para uma eventual base lunar.
Os cientistas afirmaram que os dados são preliminares e que as futuras análises deverão detalhar melhor a presença de água na cratera.
Segundo Colaprete, "junto com a água em Cabeus, há pistas de outras substâncias intrigantes." Mais detalhes, contudo, terão que esperar a publicação dos artigos científicos, o que deverá ser feito após a conclusão das análises.
Em Setembro último, uma sonda espacial indiana também havia encontrado sinais de água na Lua.

Fonte: http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=nasa-confirma-descoberta-agua-substancias-intrigantes-lua&id=030175091113